Destaque do Brasileirão, Marinho elogia “pai” Cuca e critica diretoria do Santos

O atacante Marinho, do Santos, não teve papas na língua, ainda mais em entrevistas. Ele costuma falar o que vem à cabeça. Em entrevista ao Sportv, ele manteve se jeito e criticou a diretoria do Peixe.

“Eu não gosto de me meter muito em política, não seria a pessoa certa para falar, mas é como falei: ele (Cuca) é o nosso presidente. Tinha muita coisa errada que não conseguíamos resolver. Todo mundo esperava pelo menos alguém vir falar para a gente”, completou.

O presidente José Carlos Peres foi afastado pelo Conselho Deliberativo. O vice orlando Rollo assumiu o comando do Peixe. Foram 161 votos a favor do afastamento, seis contra e nove abstenções – era preciso de dois terços dos votos para aprovação.

SALÁRIOS!
Durante a pandemia do novo coronavírus, os jogadores tiveram os seus salários reduzidos em até 70% sem um acordo com a diretoria. O assunto foi motivo de insatisfação nos bastidores e motivou Eduardo Sasha e Everson a buscarem a Justiça. O atacante e o goleiro foram para o Atlético-MG, onde são comandados novamente pelo técnico argentino Jorge Sampaoli, outro que cobra o Santos judicialmente.

Além disso, o Santos está sofrendo com duas punições da Fifa. Por causa de dívidas com o Hamburgo, da Alemanha, e com o Huachipato, do Chile, o clube está proibido de contratar jogadores nas próximas três janelas de transferências.

RACISMO
Alvo de injúrias raciais em uma transmissão recente, Marinho promete não descansar na luta contra o racismo. Insatisfeito, o atacante citou exemplo de atletas de outros países que se posicionam contra isso e têm mais apoio. O piloto inglês Lewis Hamilton, principal astro da Fórmula 1, e o americano LeBron James, também estrela máxima na NBA, foram lembrados.

“Quando o Hamilton faz isso, o LeBron faz isso lá nos Estados Unidos, eles têm muito respeito. Se no Brasil você vai fazer é muito mimimi, ‘Nutella’, isso e aquilo. Mas eu vou defender a bandeira porque muita gente passa por isso e não tem voz ativa. Não ligo para o que vão falar de mim. O importante é eu saber, olhar para o próximo, pessoas que passam por isso diariamente, sofrem com isso nos empregos e não podem falar, senão vão ser mandadas embora”, comentou.

“Isso nos machuca. Porque lá fora as pessoas falam e têm respeito, elas recebem um abraço de todo mundo. Aqui, se a gente vai defender, muita gente vem e ainda critica. Acredito que só no Brasil seja assim. É como eu falei, independentemente do que falam de mim, vou estar sempre brigando por aquilo que acho que é certo”, completou Marinho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TOP