Futebol mediocre, Fluminense toma virada, reação zero…

Com gols de Brenner e Luciano, ambos com passagens pelas Laranjeiras, e de Vitor Bueno, o São Paulo bateu o Fluminense de virada por 3 a 1 no Morumbi na tarde deste domingo. Vice-líder, o Tricolor Paulista tem apenas um ponto a menos que o Internacional (16 a 17). O Tricolor Carioca é o sétimo com 11 pontos.

O São Paulo agora enfrenta o Red Bull Bragantino às 19h15 de quarta-feira, novamente no Morumbi. Já o Flu tem o clássico contra o Flamengo às 21h30 do mesmo dia, no Maracanã.

Com a marcação muito bem encaixada, o Fluminense se dispôs a evitar que o São Paulo conseguisse repetir os ótimos momentos que teve no início do jogo contra o Atlético-MG, na última quinta-feira. E conseguiu: o primeiro tempo da equipe de Fernando Diniz ficou muito mais próximo dos 60 minutos ruins do Mineirão do que dos 30 minutos bons. A exceção foi um lance logo aos dez minutos no Morumbi, em que os dois laterais apareceram na área para finalizar: Reinaldo chutou prensado e, na sobra, Igor Vinícius mandou perto da trave de Marcos Felipe.

Os dois voltaram a ser protagonistas aos 39 minutos. Na verdade, coadjuvantes de Wellington Silva. Marcos Felipe lançou, Igor Vinícius deixou passar e foi surpreendido pelo atacante do Fluminense, que ficou com a bola e venceu Tiago Volpi com um tiro de fora da área: 1 a 0.

Não fosse por esse gol, a arbitragem teria provocado as maiores emoções da etapa inicial. Paulo Roberto Alves Júnior, árbitro de campo, chegou a assinalar pênalti inexistente para o São Paulo em uma dividida entre Igor Vinícius e Luccas Claro. Ele foi até a cabine do VAR e, depois de quase quatro minutos de uma inexplicável indecisão, mudou de ideia, apitou falta para o Fluminense e mostrou cartão amarelo ao são-paulino.

Igor Vinícius, Hernanes e Paulinho Boia não voltaram do intervalo. Diniz colocou Juanfran, Igor Gomes e Brenner em seus lugares e, aos oito minutos do segundo tempo, o São Paulo já estava na frente. Brenner empatou aproveitando desvio de Léo após escanteio cobrado por Igor Gomes e só não virou após driblar Dodi e Nino porque a trave não deixou. Luciano conferiu no rebote.

Odair Hellmann chamou Ganso quase que imediatamente, mas nem ele e nem Nenê conseguiram fazer a lei do ex valer a favor do Fluminense. O São Paulo, muito melhor no segundo tempo, esteve sempre mais perto de fazer o terceiro gol – teve ótimas chances com Vitor Bueno e Luciano – do que de tomar o empate. E fez com Vitor Bueno, com um bonito chute de longe nos acréscimos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TOP