Marcelo Beltrão diz que sentimento de mudança deve pautar eleitorado de Maceió

Em entrevista à TV Mar, nesta quinta-feira (19), o prefeito eleito de Coruripe, Marcelo Beltrão (PP), destacou que há um sentimento forte de mudança por parte da população maceioense quanto ao segundo turno na capital, o que deve influenciar efetivamente nas urnas.

Conforme matéria publicada, nesta semana, pela Gazetaweb, os deputados Davi Maia (DEM) e Cabo Bebeto (PTC) analisaram que 71,1% – ou 271.574 – dos eleitores maceioenses que votaram no candidato João Henrique Caldas, o JHC (PSB), e nos demais defendem a mudança. Inclusive, os outros candidatos não querem Alfredo Gaspar (MDB), candidato apoiado pelos Calheiros e Rui, segundo indicado pelos parlamentares.

Quanto ao município de Coruripe, o cenário foi a briga de família mais vigiada das eleições deste ano, e quem se saiu melhor foi Marcelo Beltrão (PP). Ele venceu o primo, Maykon Beltrão (MDB), com louvor e uma margem larga de votos (55% contra 42%), e toda uma estrutura que envolvia o deputado federal Marx Beltrão (PSD) e o governador Renan Filho (MDB). O prefeito eleito atribui a vitória ao currículo e ao estilo de campanha que desenvolveu.

Beltrão (o Marcelo) terminou 3.817 votos de diferença em relação ao seu principal adversário, com quem teve embates diretos ao longo do pleito. Denúncias envolvendo compartilhamento de mensagens em massa com conteúdo falso e ataques de ordem pessoal marcaram o período e mobilizaram a cúpula da Justiça Eleitoral e da Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) para evitar que a rixa superasse o ambiente virtual e chegasse à violência física.

“A minha campanha teve como esteio o esquecimento à questão pessoal. Estávamos lá para entregar uma proposta à população, mas fomos atacados, vítimas de fake news, e tentamos superar isto com foco nos interesses do povo. Enfrentamos uma grande batalha e não fizemos uma campanha contra alguém, mas a favor das pessoas. Ponto forte da campanha – o esteio foi esquecer a questão pessoal. Estávamos lá para entregar uma proposta à população”, detalhou Marcelo.

Ele disse que o povo de Coruripe ansiava por um gestor que pudesse cuidar dos maiores anseios de cada um e, por isso, investiu na ideia de levar uma proposta de comparação dos currículos dos candidatos. “A nova ordem da política é eleger gestores que possam colocar em prática os projetos que defendem. Faço política há 20 anos, com experiência em administração em diversas frentes, e o povo quer gestão. Sempre fiz política sem sobrenome, com comprometimento com a população”.

Marcelo acredita que as pessoas estão cada vez mais desacreditadas com a política, sendo necessário um trabalho dos representantes no sentido de resgatar o valor que a atividade política tem na transformação da vida do povo. “A população de Coruripe estava muito carente de ser ouvida. Fizemos uma campanha pé no chão, com carro de som e indo na casa das pessoas. Só fizemos dois comícios. Fomos em busca de pessoas desacreditadas e explicamos que a política era o instrumento capaz de mudar a vida das pessoas, com fé em dias melhores. Tudo isso sem atacar”.

Por estes motivos e por ter apresentado propostas factíveis, avalia que se sagrou vitorioso nas urnas. E completou que não guarda ressentimentos do primo pelos ataques que sofreu ao longo da caminhada eleitoral. “Da minha parte não tem nenhum ressentimento. O que ficou chato foram os ataques pessoais. Nos entristece ter visto pessoas reverberando, compartilhando fake news, que atingiram até o celular do meu filho. Tudo pela ambição de se eleger”.

Ao se referir a Marx Beltrão, adiantou que aguarda a promessa do deputado federal em destinar emendas para saneamento em Coruripe. “As portas da cidade estarão sempre abertas para o desenvolvimento”, destacou. Ele ainda comemorou êxito na votação de aliados políticos em Penedo, Feliz Deserto e Jequiá da Praia. “Vamos nos unir pelo desenvolvimento do Litoral Sul”.

Marcelo citou as prioridades da gestão e diz que já pediu apoio ao senador Fernando Collor (PROS) e ao deputado federal Arthur Lira (PP) para expansão do serviço de internet banda larga no município. Esta é uma de suas metas, como futuro prefeito, para incrementar o turismo em regiões que já são exploradas.

2º TURNO

Em relação à campanha no segundo turno em Maceió, o prefeito eleito reconhece que há um sentimento forte de mudança, por parte da população, fator que deve influenciar bastante nas urnas.

Nas redes sociais, ainda com a voz rouca, mas de bom humor, o deputado Davi Maia disse que os eleitores maceioenses deram um recado claro à família Calheiros.

“Os 28,54% dos eleitores que votaram em JHC 40 é o mesmo percentual, de  28,87%, que o candidato [Alfredo Gaspar] ‘rabo preso’ teve. Chegamos empatados. O que mostra? Que 71,1% de quem votou em Davi Davino, Valéria, Josan, Ricardo e no Cícero Almeida quer mudança. Isso é o mais importante. Com certeza, chegaremos ao final do 2° turno com uma votação acachapante”, declarou Davi.

Na mesma linha de raciocínio, o Cabo Bebeto disse que a postura adotada pelo eleitor demonstrou independência e um sentimento de liberdade de escolha. Para ele, isso abre, inclusive, a possibilidade da costura de apoios com os candidatos derrotados.

Ele não detalhou como andam as conversas, porém, fez questão de pontuar que quem votou em outros candidatos deixou claro que não querem o candidato apoiado pelos Renans e Rui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

TOP